terça-feira, fevereiro 19, 2008

!crisálidas!

O amor não é a estátua que movimenta turista, mas sim, o próprio turista que movimenta uma muvuca ao redor da estátua. É o encanto que não quer quebrar. A estrada para o amor não surpreende os olhos por não ser uma avenida movimentada, é apenas uma estradinha de terra que consegue acesso ao vilarejo do coração. Amor esquenta o tempo esquecido e reanima os desavisados. É um reviver constante e nostálgico do primeiro encontro. São químicas reagentes do tempo que parte da loucura da paixão para chegar ao convívio constante e aconchegante da segurança sã. A divisão de uma parte para com a outra que não deve chamar divisão. É um doar de si mesmo, uma entrega gratuita, uma solução da falta. A ruína de qualquer futuro desvia-se quando o amor dá sinal de fumaça, porque é certeiro que se a vida alagar, o amor estará ali, prontinho como salva-vidas atento. Um perdurar de vontade, um perdurar de coragem, um perdurar de poder. O amor é a criança, é o jovem, é o caduco, tudo ao mesmo tempo, o amor é. Sempre renova a cada estação que a vida pausa/caminha. O amor é pão e leite. Farinha e água. Água e sede. Está nas melhores junções e gostos. Não precisa de teores picantes, combina bem com o simples e sabe inventar o complicado pra ser inteligente. Inventa linguagem, inventa artifícios, inventa armas e amarras - sabe afrouxá-las também. Porque amor são asas que voa um mundo diferente. São crisálidas para as almas admirarem a mutação de sentimentos. É a transformação da água para o vinho e do vinho para os que não apreciam álcool. O amor se dissolve íntimo, conclui o infinito pelo que sente e fala o indizível com um sussurro. Sabe acordar a noite e anoitecer o claro. Encurtar a hora como se não ultrapassasse o segundo. E o amor vai calmo. Porque é todo o indefinido que completa a definição de estar – amando.

4 comentários:

amor plutônico disse...

puxa vida.
que lindo.
amei.
amo.
amarei.

Wagner Barbosa disse...

Poxa, demais !!!!

Quando abri os olhos, quando me vi, um mestre dinamarquês escreveu:

"....Somente quem é formado pela possibilidade é formado pela infinitude..."

Na Infinitude do Amor habita o absurdo do possível......

A-mar é como o mar....
A boca úmida do mar toca o vento invisível.....

A-mar é como o mar...
Torna-se o amante das muitas faces
da noite....

A-mar é como o mar....
Metamorfoseia a Lua na inquietação das ondas que desaguam nas ilhas desertas.....

As estrelas fazem moradas no mar......

A-mar é como o mar.....

Wagner Barbosa disse...

ahhhhhhh

deixo uma música.....

www.myspace.com/therealallanholdsworth

a música se chama:

City night

solfejar essa música, é o momento q minha alma fala outras línguas.....

Pedrinho...poesias... disse...

...REcomendo a leitura,por favor,recomendar não ofende!
de :
AMOR LIQUIDO de Z.BAUMAN
...................................................vivemo a era da
HIPER-MODERNIDADE...!!?

BEIJOSliquidos
PedrinhoR.