terça-feira, setembro 18, 2007

poema da tarde para o Flávio Henrique





Recolha seus fragmentos e e se construa - em pavimentos.

Resolva seus pensamentos e remova - seus andaimes.
Redobre seus movimentos e destoe - seus entendimentos.

Caia e suba - da lama ao pico. Da lama transforme um pilar.





7 comentários:

Anônimo disse...

RARARARARARARARARARARARARARARARARARARARARARARARARARARARARA!!!

SÓ PERDE PRA "TELE-AMIGO SEM LUAR"!

Dani disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Anônimo disse...

pilantra!

Anônimo disse...

enfim a ferida se fechou.
ainda com as marcas do passado, que aos poucos vão desaparecendo.
resta ainda a cicatriz.
a cicatriz é mais que um remendo da natureza.
é uma estrutura criada pelo corpo, pela pulsão de vida para fechar os cortes e estancar a ferida.
quando as feridas se cicatrizam, o tecido fica ainda mais forte. resistente.

você está se cicatrizando, dani.
no corpo e na alma.
o remédio pra isso é sua poesia.
e sua pulsão vital.
das feridas conserve apenas as lembranças e o aprendizado.

mas não tenha medo que apareçam novas feridas.
nem de ferir.
quem não se feriu na vida não conhece a virtude da dor.
quem nunca feriu alguém, não sabe bem o que é o amor.

to muito feliz.
bj.

ediney disse...

sua poesia me deu vontade de comer morangos com leite e fazer um mundo dá mil voltas para qualquer canto,
beijinhos

Anônimo disse...

quem abusa das palavras as banaliza.
e, banalizadas, as palavras não dizem nada.
abusado mesmo é quem diz tudo sem palavras.
palavras valem o quanto não são ditas.

mario pirata disse...

obra com veneno de cobra.
boniteza.