quarta-feira, outubro 17, 2007

A culpa é de quem?

Não preciso, não quero e nem devo ir muito longe, falo pelas cores amarelas de honra e glória, o verde da esperança e o branco pela paz de nosso Brasil. Dentro de um universo legal há outro ilegal. Na cabeça de uns a legalidade é a sua verdade e para outros a ilegalidade que é verdade. E o que é realmente a verdade? Há algum conhecimento de verdades certas e seguras dentro da concepção a priori? É majoritário pensar na legalidade de direitos que constituem a civilização, empregada por instituidores de verdades que não sabem diferir a absoluta e absurda delas, mas conseguem pregar e definir regras de vida para nós, os pacatos cidadãos – que agimos em normas, estatutos e leis. E que a gente aceita é um fato (eu diria fardo), assim mesmo, a gente aceita tudo, desde que nascemos devemos aceitar a condição de escapulir do seguro ventre para o frio vento do mundo, mas isso é a lei natural da vida. Mas a lei que não naturaliza ninguém é diferente. O que define não é o senso crítico individual, mas o senso comum que carrega em bandas a aceitação de um mundo cruel que vivemos. A culpa é de quem? (ixi!) Mas tudo é evidente, sabemos reclamar dos nossos antepassados e até os que virão: é a corrupção de nossos seguranças públicos que teoricamente foram treinados a eliminar o crime, mas ficam por aí comedidos e inseridos diretamente à criminalização maior; é a má educação de nossos futuros profissionais por motivos indecorosos da não valorização dos seus professores; é a dominação cultural dos formadores de opinião que massificam em latinhas o povão brasileiro; são as mudanças climáticas inseridas num devastador nível de mudanças em que o homem pelo homem é o único culpado (por ganância ou ignorância?). Bom, sem verdade definida, parte delas define bem quando assistimos nas testas dos nossos queridos e fiéis políticos aliados às filosofias de cada partido, que sabem esconder seus in- caráter em ternos e gravatas, mas tão inocentes deixam escapar que não, não podem e não são os bons samaritanos. Então o mensalão cai de bandeja na boca do povo e a indignação perpetua aos montes, mas é só passar alguns dias, e (?) tudo termina no manjericão, mussarela e tomate. A gata nova da Play Boy desvia atenção da massa que acha bonito a gostosa receber rios de dinheiro de pensão do presidente do senado (que foi acusado de receber ajuda financeira de lobistaaaas) por merecimento de sua banda. A cachorrada do parlamento não defende nada, e o partido defendido pela classe esquerda desonra os próprios. E tem gente por aí assinando tratados disso, daquilo, de outros e, assumem por nós o destino do país que também é nosso (ora ora minha gente)!

E a culpa é de quem? Apaaaaaaaapu.... A culpa é de quem? Vá dizer que são deles, só deles, deles que só estão lá. Não existe um movimento de força e coragem dos brasileiros. A comodidade e rotina do dia a dia de cada um, que acorda e toma o café, leva os filhos pro judô, ballet, natação, passa o dia cumprindo os mandamentos do relógio. Pensar nas responsabilidades, claramente do seu umbigo e em suas vaidades. Daí tira um instante do dia pra pegar o invencível jornal e ler todos os noticiários que realmente massacram o consentimento da gente, então, e aí? E aí que é só isso. E o mundo continua a rodar. Daí, retorno a pergunta e grito girando, girando, girando cem cessar: A CULPA É DE QUEM? Apaaaaaaaapu....

3 comentários:

Helio disse...

A Culpa é de quem?

E do Zé,
Isso!!! O Zé ninguém,
que come arroz com feijão...
e toma água com corante.

O Zé ninguém que veste outdoor,
enriquece-se do que tem,
orgulhoso de suas vaidades,
daqueles que tem e não tem.

Ohhh Zé ninguém,
que perdido nas ruas,
não sabe de onde vem...

O Zé ninguém de gravata e sapato brilhante,
que de voz entonada rasgando o verbo e a seda,
destes que vão e vem...

O Zé que ninguém liga,
porque andas desligado...
e só liga, quando liga a TV.

O Zé ninguém que ninguém vê,
como alguém. Quando é pra vêr...
é pra dar arroz com feijão,
na troca da roupa suja.

A culpa é do Zé...
Não! a culpa é de quem

Anônimo disse...

enquanto todo mundo não admitir que A CULPA É NOSSA e a culpa continuar sendo sempre DOS OUTROS continuaremos vivendo na merda. e não tenho muitas esperanças de que isto venha realmente a acontecer. portanto, acho que teremos que nos acostumar com o fedor da bosta desse cu do mundo.

O bom e velho Duds disse...

"é só passar alguns dias, e (?) tudo termina no manjericão, mussarela e tomate."
genial. indignado, limpo, duro, cru, real, insatisfeito, crítico, ácido, real. puta texto.

sobre a culpa, escrevi um texto sobre "Tropa de Elite" onde comento que o legal do filme é justamente o fato de q ele mostra não apenas o bandido como culpado. ele mostra todo um sistema corrupto e podre que o sustenta, e que é composto justamente por todos nós, culpados e cúmplices por puro comodismo e pelo prazer poder acender um baseado entre amigos risonhos numa praia bacana no litoral norte, naquela festinha na cobertura daquele amigo cheio da grana, ou na faculdade, só pra citar dois exemplos.

por isso, acho que a culpa não é só do traficante ou do político, é também daqueles pobres ignorantes que decretaram feriado na cidade do renan quando ele foi absolvido do seu julgamento, e claro, é minha e sua também.