sexta-feira, novembro 23, 2007

tecla pause: FOGO!

Ainda bem que dentro de um olho cabe tantos outros olhos. Hoje eu quis abrir o meu gigante pra me enxergar bem pequena. Estranho isso. Mas tem dia que a gente tem que dar conta dos exageros e das diferenças. Eu que sempre banquei a adultona, a madurona, que roubava os anos... tive vontade de entender mais o espaço, frouxar minha adultice e o total tempo. Ir mais leve. Com calma. Observar o silêncio do mundo caótico que tanto vivo.

Ah, eu vim trabalhar pensando numa música. Se alguém me enviasse ela, ficaria enfurecida com muita raiva. Mas ficar enfurecida comigo faz parte e eu já me perdôo. Então, tantantan, dedico esta música aí debaixo só pra mim...

O Mundo É Um Moinho
Cartola


Ainda é cedo amor

Mal começaste a conhecer a vida
Já anuncias a hora da partida
Sem saber mesmo o rumo que irás tomar
Preste atenção querida
Embora saiba que estás resolvida
Em cada esquina cai um pouco a tua vida
Em pouco tempo não serás mais o que és
Ouça-me bem amor
Preste atenção, o mundo é um moinho
Vai triturar teus sonhos tão mesquinhos
Vai reduzir as ilusões à pó.
Preste atenção querida
De cada amor tu herdarás só o cinismo
Quando notares estás a beira do abismo
Abismo que cavaste com teus pés

(Já conheço a música. Acho que vou mudar a história da letra...)

2 comentários:

Gabriele Fidalgo disse...

Adooro essa música.
Nossa, ela cabe tão perfeitamente em alguns momentos.
Gosto da forma como você escreve!
Vou te linkar no meu blog. =]

beijos

Renato Villaça disse...

"ela é minha menina"

jorge bem