sexta-feira, julho 11, 2008

pipas

Eu queria cantar palavras
Plantadas em instrumentos
Colhidas por meus dons
Como as mais simples mãos

Jorrar os melhores sons
Escorregar por garganta a fora
Ais de prazeres em gotas
Serão loucas palavras doces

De quem pudera com emoção
Inventar melodia composição
De canção que vela-sopro
Penetra peito e coração

Biquinho estreito ressabiando
Vermelho por temer vergonha
Ao levitar letras no assobio
Feito pipas no céu que brincam

Destoando as luzes dos dias
Dança de tempo em vento
Carregando os raios e luas
Em sóis sorrisos das manhãs

Eu queria contar palavras
Feito desenhos coloridos
Iluminar as cortinas dos olhos
Como quem descansa em flores

Que brota por ler leituras
Literaturas em romances feitos
Desfechos para licenciaturas
Desgovernando todo amanhã

7 comentários:

B R E N A disse...

tá falando o textinho do MSN, hein?!
;)

Lord of Erewhon disse...

Caríssma poeta, vai lhe surpreender receber este comentário de um Português que não conhece, mas admiro muito sua poética e lhe enviei um email com um Convite.

Tudo de bom.

Alê disse...

pó de rabiola

Sofia Fada disse...

Oi! Bom demais todos os seus textos. E adorei o nome do seu blog, quando a alma não cabe o corpo, as coisas trancendem, e se consegue atingir o clímax do universo.
Parabéns!
bjs,
Sofia

peixe do aquário azulado disse...

você não canta palavras.
é a própria melodia delas.
minha mus(ic)a.

Helio disse...

Click. ih

Helio dusk disse...

Click. ih